terça-feira, 30 de julho de 2013

BOLA DE CRISTAL


Desbastei ervas daninha,
e preparei o cio do jardim.
Adubei o caule das orquídeas
e esperei...
a declaração da chuva,
-à tua espera me pintei.

Pontilhei o caminho
com laços e flores.
Escrevi pelo chão
versos da nossa canção
e descansei meus braços
pra te abraçar.

Desenhei em sofreguidão
(em tela acetinada)
teu sorriso entre lírios
e névoas da manhã.
Esperei até amanhecer.
...Mas você não veio.
                
Minha bola de cristal
Nublada em minhas mãos
apontava mares desconhecidos,
impossíveis de te encontrar.
Com meu terno novo,
voltei ao jardim.
...À tua espera eu chorei. 


Marcos tavares