sábado, 27 de julho de 2013

SERES ESTRANHOS

A porta range quando eu entro.
Empurro meu mundo aos cômodos
que me deixam habitar.

Seres estranhos que vivem em mim,
vêm me libertar das estradas
e das suas tocaias.

Deixo fora minhas armas e amarras
Minhas armadilhas e outras moradas.
Escondo minhas pedras sob o tapete.

A porta range quando eu parto,
ensaio súbito, um grito que arde 
vestindo armaduras de guerra. 

Seres estranhos em mim se aglomeram
tomam posse dos meus rumos
e das minhas entranhas.

Resgato os meus canhões, 
a minha mira aguçada, 
e um estranho gosto por sangue 
na minha cara de marra. 


Marcos tavares