segunda-feira, 28 de julho de 2014

PRENDA

Hoje eu quero ser prenda,
ser levada,
molhada de chuva,
dançar em roda de viola,
ser pega, capturada,
me perder pela madrugada.

Hoje eu quero ser lavada,
encharcada de tequila,
amordaçada como bandida,
desaforada, abatida,
amada por aventureiros.

Hoje eu quero ser surrada,
desarrumada dos pés a cabeça
contar toda verdade,
explicar os desenhos
das minhas tatuagens.

Deixar à mostra
a cara sem maquiagem,
a cor vermelha da calcinha,
os anéis que me deram
(sem eu merecer)
e escorrer no suor um amor
que ainda teima em doer.



Marcos tavares