terça-feira, 18 de setembro de 2012

ANATOMIA



É um choro entre o ente,
Entre a vida e a enchente
dos olhos.
...Ah! Tanta dor.

É um berro,
Pelos poros
Entre a vida e o ventre:
A expansão

Ah! Meu filho.
Quanto espaço houver:
-Fertilizar.
Quantas dores existir:
-Te gerar.

É uma tempestade;
No âmago do existir.
Mas, que teus olhos
E teu choro
Seja a única canção
Deste grito.

Marcos tavares de souza